☼ All One Now ☼

By giving and sharing the best of ourselves we´ll all rise up ☼"Quando souberes o que É Éterno saberás o que é recto"
(Tau-te-King, 16)


domingo, 27 de dezembro de 2009

: . Cântico da Resiliência Vital : . Via Sacra, Alegoria da Caverna, Cântico Negro e A Maçã da Branca de Neve . :


Vem, por aqui, dizem-me alguns agrilhoados, com olhos moles e baços,
Estendem-me os seus desfibrados braços, demasiado maduros e lassos,
De que seria bom que eu os seguisse,
Quando me tentam cativar com o fácil, mas enganoso, apelo do "vem por aqui!"
Eu vejo-os com os meus olhos camuflados e pardos,
(Há, nesses meus olhos disfarçados, luzes e desembaraços)
E encolho os ombros que, ao longe, parecem frágeis e cansados,
E face a face lhes digo: "jamais irei por aí ..."

A minha matriz paterna/materna é esta:
Viver com humanidade, dignidade e firmeza de alma, coluna e coração!
Aceitar a solidão de quem não vende a alma por parca companhia.
Que eu vivo segundo os Princípios que herdei,
Com o Sol com que me Ensinaram a vislumbrar a realidade fora da caverna da vã e apócrifa e eufórica objectivante flácida entropia,



Não, jamais irei por ali! Só irei para onde a Luz me Encaminhar
Para onde a minha Consciência, lucidamente, me levar...

Se o que procuro saber em nenhum reflexo da lamacenta matéria encontrarei...
Por que insistem em afirmar que na condicionada caverna a Luz vislumbrarei?

Prefiro lembrar-me do meu Berço de Brilhante Marfim Esculpido,
Caminhar sob comuns olhares tão banais quanto escarnecedores,
Como quem cuida da sua luz interior, sangrar meu coração muito vivo, embora dorido,
A enveredar pela venalidade do ali...



Se Deus Quis que os Pais me pusessem neste mundano mundo,
E pela sublime via sacra conhecê-lo a fundo,
Foi para respeitar os desenhos Divinos delineados na areia do mar revolto e profundo!
O mais penso e faço mais do que grão de pó não será...

Mas, não sereis vós, embevecidos e cegos pelos reflexos da luz nas paredes bolorentas da esquálida caverna,
Que me ensinareis a distinguir a luz artificial da Essencial e Eterna,
E mesmo que obstáculos imensos me ponhais frente à face da máscara despojada ...
Corre, no vosso circuito enferrujado, sangue negro da barbaridade,
Acima de tudo, vós amais a preguiça moral, a facilidade de brio mascarada!
Eu amo os Inexoráveis Caminhos do Supremo e da Sublimação,
Amo o topo da montanha e não o torpe chão, abomino as correntes que me impedem de alcançar a Divina Libertação...


Ide! Tendes vácuos e efémeros objectos e ânsias,
Tendes negros apetites, tendes desmedidas ambições,
Tendes básicos instintos, tendes negras emoções,
E tendes regras imorais e fáceis e feitas verdades, quantos falsos filósofos e sábios...
Eu tenho a minha Fé que me sustenta a postura!
Levanto-a, como um holofote que me ilumina a noite escura,
E sinto frescura, pureza e verdade no coração e nos lábios...


Só Deus e jamais o Diabo me Guia, nada das trevas algum dia me cativaria.
Lembrai-vos que a todos nos é dada a oportunidade de evolução,
E eu não quero descer a subir e cair na lama do desvitalizante rés-do-chão,
Pois creio na subida pelo Amor Sublime e abomino a descida pelo instinto infame.

Ah, que ninguém me aborreça com a sua maçã lustrosa, mas podre, pelos vermes corroída!
Ninguém me peça para lhe vislumbrar divina cor e na lamacenta descida luminosa subida!
Ninguém me diga: desfruta deste soberbo pagão e vulgar sabor!
A minha vida é uma tempestade tropical a cujo torrencial vendaval sucede um sol luminoso,
É uma onda que, salgada, me faz renegar o mal e encarar o Bem como um tesouro precioso,
É um átomo da Flor da Vida que se tenta neste mundano mundo aprimorar...
Ainda não sei quem sou,
Ainda não sei para onde vou
Só sei que nunca irei por aí!

Adaptação de Isabel Metello © do Cântico Negro de José Régio

3 comentários:

Namarrocolo disse...

Lindo mas cada vez mais raros os que assim agem.
Felizmente ainda os ha.
Nao percamos a esperança pois da pequena semente nasce a grande arvore.

Lina disse...

Lindo! O cântico negro do José Régio ganha nova luz e mantém a sua força. Adorei a adaptação, Isabel. Ainda me identifico mais com a sua versão...

Isabel Metello disse...

Muito obrigada a ambos, fico sinceramente comovida. Abço do tamanho do universo ;)
Namarocolo e Lina, pela resiliência a não desistência perante o vazio ;)